segunda-feira, 22 de julho de 2013

Mudar de casa - escrita criativa

No 6º desafio, a minha mente brilhante saiu-se com esta... (aguardemos pela da Carlinha do DESCOMPLICÓMETRO).




Recordar e escrever sobre uma das suas mudanças de casa.

Hoje estou sozinha: quero ser ilha e que a minha pele não (te) sinta. Hoje sou apenas eu despida de ti; sou um holograma, um mero apartado, um remetente pouco fidedigno - estou cansada de tantos “eus”.

Seis – 6 mudanças de casa, tantas quantos os amores. Morei em T0 e T1 alugados, falei francês, construí uma casa de sonho, partilhei um BMWX5, roubei bicicletas e acampei à luz da lua. Seis vezes encaixotei a minha vida - suor, coragem, paixão, desilusão, irreverência, alegrias, luto e tudo o resto de que são feitas as vidas (diamantes e cascalhos). Deixei e trouxe retalhos de respiração – do Paulo, do Zeca, do Augusto, da Teresa, da Luísa e, agora, do Jorge – serão os últimos (tantas certezas que o álcool nos dá).

Regressei à casa dos meus pais. Conscientemente, num acto de (pouca) afirmação, voltei a fumar (que fraca que sou) - agora, num canto de um paralelepípedo cheio de nada e de pó, treze anos volvidos, percebo que não cresci (o mesmo Nº 36 de calças da ZARA): estou sozinha por opção – bem que poderia ter mudado este destino com um tiro certeiro de caçadeira (nele, nela ou em mim?). Petrificada, ainda espero o amor-perfeito, aquele ou aquela que me fará prescindir dos papelões da IKEA, da fita adesiva castanha, dos contentores e das empresas de transporte: anseio o último (des)encaixotar, nunca mais estrear lençóis novos ou ter que fazer cópias de chave. Anseio olhar (para ti) e sentir o piscar imediato de um néon pimba dizendo “CASA”. Contigo tive a última oportunidade.

A garrafa de whisky já vai a meio (onde estará o isqueiro?) e, do chão, onde me encontro, os caixotes áridos parecem-me prédios abandonados de uma Nova Iorque sonhada: uma, duas, três, … tantas caixas cheias de nada que chega a ser vergonhoso; olhando os seus reflexos na janela - inebriada, a tender para o coma - já não sei se está na hora de as abrir ou se as acabei de fechar.

(…) Feels like I'm knockin' on heaven's door
Knock-knock-knockin' on heaven's door (…)”

(Voltei a fumar, porra!)

Numa alucinação auditiva, encontro José Régio - “Não sei por onde vou, não sei para onde vou” - e, em apneia voluntária, escorrego da varanda. (Os meus pais viviam no 17º andar.)

Foi este o sonho macabro de que te falei, Duarte (…) Sinto-me uma felizarda por irmos viver juntos!

Sem comentários:

Enviar um comentário

O que se diz por aí...