quarta-feira, 19 de março de 2014

Pecados mortais

CLÁUDIA MARÌLIA, quem te avisa, amigo é:


Isso de andar a comer 2 bolos lêvedos com queijo e doce de amora todos os dias não vai acabar bem...

 

segunda-feira, 17 de março de 2014

BENFICA ou talvez não

É a fralda,
é o chichi,
é o jantar,
é o cocó,
é o banho ao mais novo,
é o banho ao mais velho,
é a fralda,
é a birra,
é a Vila Moleza,
é a cabeçada na mesa,
é o chorinho de birra para dormir,
é a birra para não ir para a cama,
é assoar o nariz,
é o ranho pelo chão,
é...



... poxa pá...

Uma mulher não pode ver o Benfica descansada!

Fala quem sabe

Não decidas fazer arroz doce sem antes confirmares que o arroz que tens em casa é carolino. Arroz doce com arroz agulha não é arroz doce.

domingo, 16 de março de 2014

Ouço vozes...

Chamam por mim...
Já há dias que ouço:" Cláudia, Cláaaaaaudia, Cláaaauuuuuudiiiiiiiiiaaaaaaaaa..."


É ELA a avisar que os dias bons estão a chegar e que não tarda vêm as férias e as idas à praia. É ela a querer alertar-me para parar de ignorar e de fingir que está tudo bem...

A elíptica (coberta de teias de aranha e parada no sótão há mais de dois anos) chama por mim...


... mas o que ELA não sabe é que eu ligo o botão da surdez selectiva em três tempos!



(... não me deixeis cair em tentação, e livrai-nos do mal, Ámen).

sábado, 15 de março de 2014

sexta-feira, 14 de março de 2014

Em dia de poesia...

"Quando um homem começa a tocar-te com palavras, não está muito longe de o fazer com as mãos. (...)
As palavras são as piores coisas de sempre. Preferia que um bêbado no café te agarrasse o rabo do que teres alguém a dizer-te que 'o teu sorriso é como uma borboleta'."

domingo, 9 de março de 2014

Remédios caseiros

Já faltou mais


I wonder...

(ainda tenho um biquíni do ano passado para estrear!)



 

Fofíssimo!

"Do primeiro amor gosta-se mais, dos outros gosta-se melhor."
Antoine de Saint-Exupéry

 

A propósito de sonhos

Todas as noites, quando vou deitar o meu filho mais velho - 3 anos - desejo-lhe "sonhos felizes". Ele responde-me "para ti também, mamã", mas o outro dia surpreendeu-me acrescentando:
- "Com o que é que queres sonhar, mamã?"
Ao que lhe respondi que sonharia com um dia bonito, de sol, com um passeio num jardim de flores coloridas...
Ele:
- "Eu quero sonhar contigo, mamã!"



...


E completou:
- "Faz de conta que tu és a Estefânia!"



(A Estefânia é a personagem feminina de cabelo cor-de-rosa, de uma série de desenhos animados - A Vila Moleza. Eu pergunto: aos 3 anos, não é cedo demais para desejar ter sonhos dessa índole?!)




 

Prazeres (da carne e da mente)

 
Ora aqui está mais um post que não interessa nada, nada, nada a ninguém, mas que por ter a Sara Sampaio meio-despida, vai atrair uns quantos visitantes. Vai uma apostinha?
 
Então era só para vos dizer que a partir de hoje, de oficioso a oficial, a minha ESTAÇÃO DE RÁDIO PREFERIDA É A R 80, em 90.2 Mhz

sábado, 8 de março de 2014

O dia em que o meu filho mais novo ia engolindo uma bola de ping-pong

FOI HOJE.
PÂNICO.

Inspira.
Expira.

Repete.
Bis.

Ok, já passou!

Em dia de chuva e vento

... Em que não se tem de ir à rua, em que os putos se entretêm pelo chão (e no tablet), em que o maridão cozinha (não, não é por ser Dia Internacional da Mulher, é só mesmo porque eu não cozinho bem e ele é comilão), em que a tua loja preferida de roupa online te vem trazer a casa uma saia para lá de gira... tu agradeces a Deus e aos inventores da internet, que te possibilitam entretenimento eterno - sentada (semi-deitada) no sofá, de portátil ao colo (ainda bem que não tenho testículos para aquecer) - e vais descobrindo umas pérolas avulso...




(E acabaste de lanchar bolo de chocolate com cebola curtida. Huuummm... que mais se pode desejar?)

Descobertas: Era uma vez...


Carta (Esboço)

Lembro-me agora que tenho de marcar um
encontro contigo, num sítio em que ambos
nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma
das ocorrências da vida venha
interferir no que temos para nos dizer. Muitas
vezes me lembrei de que esse sítio podia
ser, até, um lugar sem nada de especial,
como um canto de café, em frente de um espelho
que poderia servir de pretexto
para reflectir a alma, a impressão da tarde,
o último estertor do dia antes de nos despedirmos,
quando é preciso encontrar uma fórmula que
disfarce o que, afinal, não conseguimos dizer. É
que o amor nem sempre é uma palavra de uso,
aquela que permite a passagem à comunicação ;
mais exacta de dois seres, a não ser que nos fale,
de súbito, o sentido da despedida, e que cada um de nós
leve, consigo, o outro, deixando atrás de si o próprio
ser, como se uma troca de almas fosse possível
neste mundo. Então, é natural que voltes atrás e
me peças: «Vem comigo!», e devo dizer-te que muitas
vezes pensei em fazer isso mesmo, mas era tarde,
isto é, a porta tinha-se fechado até outro
dia, que é aquele que acaba por nunca chegar, e então
as palavras caem no vazio, como se nunca tivessem
sido pensadas. No entanto, ao escrever-te para marcar
um encontro contigo, sei que é irremediável o que temos
para dizer um ao outro: a confissão mais exacta, que
é também a mais absurda, de um sentimento; e, por
trás disso, a certeza de que o mundo há-de ser outro no dia
seguinte, como se o amor, de facto, pudesse mudar as cores
do céu, do mar, da terra, e do próprio dia em que nos vamos
encontrar, que há-de ser um dia azul, de verão, em que
o vento poderá soprar do norte, como se fosse daí
que viessem, nesta altura, as coisas mais precisas,
que são as nossas: o verde das folhas e o amarelo
das pétalas, o vermelho do sol e o branco dos muros.

Nuno Júdice, in “Poesia Reunida”

sexta-feira, 7 de março de 2014

Descobertas

Aqui há dias fiz uma descoberta. É tão bom virar a esquina e fazer descobertas... A vida não pára de surpreender!


E vocês, o que descobriram nos últimos tempos?
 

Eu e os ginásios

Todos os anos quando o Sol começa a dar um ar de sua graça, sou atacada por uma (pseudo) vontade de voltar a inscrever-me no ginásio... E durante muitos anos (ingénua, pá!) lá me inscrevi - comprava umas roupitas à maneira, recuperava os ténis e tirava-lhes o mofo e lá ia, cheia de mania, pavonear o meu corpinho gordurento (fofinho) para as máquinas e para as aulas de grupo... E todos os anos foi Sol de pouca dura. E agora, acordei com a mesma vontade, mas já não sou ingénua e... NÃO, NÃO VOLTAREI A INSCREVER-ME NO GINÁSIO!

...Não me deixeis cair em tentação.