sexta-feira, 30 de março de 2012

A fuego lento (Rosana Arbelo)

(abanando o capacete - melhor do que cafeína)
"A fuego lento tu mirada
A fuego lento tú o nada
Vamos fraguando esta locura
Con la fuerza de los vientos y calor de la ternura
Sigue el camino del cortejo
A fuego lento a fuego viejo
Sigue avivando nuestra llama
Con todo lo que te quiero y lo mucho que me amas
A fuego lento me haces agua Contigo tengo el alma enamorada Me llenas, me vacías, me desarmas Ay ay ay amor cuando me amas A fuego lento revoltosas Caricias que parecen mariposas
Se cuelan por debajo de la ropa
Y van dejando el sentimiento amor forjado a fuego lento
A fuego lento mi cintura
A fuego lento y con lisura
Vamos tramando este alboroto
Con la danza de los mares y el sabor del poco a poco
Sigo el camino del cortejo
A fuego lento a fuego añejo
Sigo avivando en nuestra llama
Tantos días como sueños, tantos sueños que no acaban
A fuego lento me haces agua
Contigo tengo el alma enamorada
Me llenas, me vacías, me desarmas
Ay ay ay amor cuando me amas
A fuego lento revoltosas
Caricias que parecen mariposas
Se cuelan por debajo de la ropa
Y van dejando el sentimiento amor forjado a fuego lento

A fuego lento, a fuego lento ay ay ay ay ay..."

quarta-feira, 28 de março de 2012

Catapultar

Catapultar
Eu catapulto, tu catapultas, ele catapulta...


Impressão

Arrrrhggrrr (isto é um palavrãozinho modo ZEN).

O cartucho preto da impressora acabou - logo agora que decidi ficar em casa a "marrar" cenas maradas ... (e, peço desculpa, mas não consigo ler do computador; é uma limitação absoluta, pronto...)


O corolário é que não posso estudar.

Anda comigo





Ouvi e gostei. Ainda há muito para descobrir.

terça-feira, 27 de março de 2012

Compulsões (estou aí a um milímetro do patológico)

Ah, pois é: não sou perfeita - eu bem sei que disfarço bem e que já vos tinha convencido a todos de que aqui a "je" era o sonho de qualquer homem, que vocês homens seriam inteligentes se começassem todos a fazer filinha e a tirar o tiquet para se me apresentarem para eu escolher: rapariga poupadinha (qualquer bijuteria me convence), boa dona de casa (uma lady na cozinha), auferedora de rendimento (não dependo da mesada do XY), 86-60-86 (mais coisa menos coisa), loira (falsa, mas bem disfarçada - nunca deixo de fora as raízes - , and so on...): um sonho de mulher.
Mas (há sempre um "mas") tenho uma compulsão que, com apenas a faltar-lhe mais um critério, cumpre com os 4 necessários para ser classificada de patológica e poder tornar um verdadeiro "sonho de mulher" no mais terrível dos pesadelos. É que, de alguns anos a esta parte, eu çshasjdnwapofhpawoncs,m lqgeaºrfjgasçknvaeihçasj ncºç çwhfeyf3nfºjssgwedlknf0oj puihr8fgfiwljsa9svm+f.
E mais não digo para não correr o risco de ser já expulsa da blogosfera e de levar com os papás dos menores que me lêem, com cartas ao Ministério da Educação.

Li e gostei


"Our chromosomes have combined beautifully"

domingo, 25 de março de 2012

+

Coisinhas que valem a pena e que eu gosto (+).

(O sol, a telepatia, a chuva, a empatia, o mar, o cheiro a eucalipto, a paixão, morangos com chantilly, um baloiço, carro descapotável com vento no cabelo, escovar os dentes, um chocolate, estrear lençóis novos, uma música, uma massagem nas costas com óleo aromático, coincidências, água fresca, and so on...)

Engenheiros, doutores e sangria

Aí há dias, por questões relacionadas com trabalho, fui a um cocktail - jantar com gente engravatada e senhoras com malas L. Vuitton, sapatos de sola vermelha, pandoras de mais de mil euros e outros adereçozitos do género.
Sorriso de circunstância (eu não sou assim - como dizia o Outro, "o meu reino não é deste mundo") e lá me fui integrando como pôde (ou talvez não). A sangria de champanhe (muuuuuita sangria) ajudou e já no fim do jantar tratava por tu a maior parte das dondocas - escapavam, a meu ver, duas ou três, que levavam o mesmo sorriso que eu -  que se sentaram a meu lado (elas estavam piores do que eu) e trocava olhares All-that-jazz com os senhores doutores e engenheiros engravatados (a cirurgia que fiz recentemente àquela variz que me estragava as pernas de Tina-turner contribuiu para o meu relativo sucesso no meio dos XY; juro que não levei decote).
Mesmo um tanto ou nada inebriada o que me chocou (não foram os BMW, mercedes, jóias ou afins) foram as aparentes novas regras de etiqueta (preciso urgentemente de actualizar-me): eram facas levadas à boca, cotovelos em cima da mesa, fumo em local proibido, comer a fruta da sangria usando as mãos como garfo... uuiii... coisinhas assim do género, claro, todas precedidas por Sr. Engenheiro ou Sr. Doutor, que isso dos títulos e gravatas dá sempre outro ar à coisa - é mais "fino".
Cheguei à cama deprimida com a minha desactualização: Paula Bobone, se me estás a ouvir, vem cá a casa que eu sirvo-te um chazinho enquanto me dás umas aulas práticas, a ver se da próxima vez (daqui a um século, espero) me sinto mais integrada e faço umas figurinhas à maneira. E é isso.
(Agora adeus, que a Princesa aqui vai virar Gata-Borralheira porque o almoço e a casa arrumada não aparecem só porque eu "quero muito").

sábado, 24 de março de 2012

Bom acordar (mas e o almoço?)

Hoje tive um bom acordar.
O Baby madrugou mas o pai tratou de sair da cama e deixou-me a dormir até querer. Muito bom começo de dia. Solinho na janela. Música boa na rádio.
Decidida a fazer um almoço especial, enfiei o avental e pûs mãos à obra: salmão grelhado com salada de batata à moda da Salomé (aqui o especial é mesmo esta saladinha deliciosa que me foi ensinada por uma amiga "rabo-torta").
Pânico: como é que faço salada de batata sem batata (batatas podres)? Lá tive que mandar o homem - que merecia sossego -  às compras, a ver se ainda haverá almoço antes do lanche...(E já que ele foi, vai trazer o resto da lista de compras do fim-de-semana... temos pena).

Hoje deu-me para isto

Hoje deu-me para isto.

À Minha Maneira

Xutos & Pontapés

A qualquer dia,
A qualquer hora,
Vou estoirar, pra sempre.

Mas entretanto,
enquanto tu duras,
Tu poes-me tão quente.

Já sei que hei-de arder na tua fogueira,
mas será sempre, sempre à minha maneira.

E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só é para lutar,
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira

Por essa estrada,
Por esse caminho
A noite, de sempre

De queda em queda,
Passo a passo,
Vou andando, prá frente

Já sei que hei-de arder na tua fogueira
Mas será sempre, sempre à minha maneira

E as forças que me empurram
E os murros que me esmurram
Só me farão lutar
À minha maneira (à minha maneira)
À minha maneira

À minha maneiraaaaa
À minha maneira!

quarta-feira, 21 de março de 2012

Diz que está a chegar a altura...


Diz que a contagem decrescente começou... que é preciso arregaçar as mangas e por mãos à obra...

XY na minha algibeira

Ora aqui está um bom exemplo de um XY que, não ficando a dever nada à beleza, eu não me importava de trazer sempre comigo na algibeira.

Qual Brad Pitt, qual quê?

(.)




"Nothing is so good it lasts eternally..."

Coisas que a crise não faz

(A crise não castra a Arte.)

“Vem por aqui” — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: “vem por aqui!”
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos…
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: “vem por aqui!”?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí…
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?…
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos…
Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios…
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios…
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: “vem por aqui”!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou…
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!
 
José Régio

domingo, 18 de março de 2012

Pensamento do Dia

Hoje levantei-me cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar porque está a chover ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por ...estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus. Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planeei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende só de mim. 
Charles Chaplin

Regresso ao Passado (TV)

Eu sou do tempo:

- Da série The wonder years (tão fofinho o miúdo e a música do Joe Cocker que já na altura me levava às lágrimas);

e do Mac Gyver (uhhh, grande homem).

(Da Joaninha voa-voa, do Clube Disney aos Sábados de manhã, do Kit carro-automático, do Beverly Hills 90210, da Missão Impossível).

sexta-feira, 16 de março de 2012

Dilema (ou talvez não...)


Versus


Soutien


Hoje fui (ia) comprar um soutien:

 - Sou uma rapariga poupada (avarenta) e, no meu corpinho belíssimo (cof,cof,cof) regra geral, qualquer coisinha me assenta bem, mesmo aquelas de 1,5 Eur das Boutiques C (Chineses). Mas vai daí que estou há tempos mesmo a precisar de um soutien diferente (= caríssimo), daqueles que não compensa, de todo, arriscar na imitação, daquelas lojas que estão nos outdoors e em tudo o que é revista cor-de-rosa, a (des)cobrir miúdas photoshopadas (só pode, né?! Tanta perfeição não é fisiológica).
Lá fui, depois de dias e dias de meditação, à dita loja (não publicito porque não gostei do Servicinho), disposta a desembolsar o valor de quase um dia de trabalho, naquele utensílio indispensável.

Conversei com a vendedora expliquei-lhe o propósito da coisa e ela, solicitamente, disse que tinha o que eu pretendia e mostrou-mo: perfeito. "Vou experimentar" - retorqui de imediato.
- "Nã, nã, nã nã..." (Responde-me ela). "Por questões de higiene não se podem experimentar". (Tipo: é pegar ou largar. Pagas e andas porque depois, está visto, não podes trocar).
- "Quê???? E se não me servir?"
- "Não temos tido reclamações. Há 5 tamanhos... veja mais ou menos qual é o seu".
- "Mais ou menos?! "...

Mas está tudo louco?
Continuei:
- "Muito boa tarde".

E vou continuar mais uns tempos sem aquele indispensável, pelo menos até encontrar uma loja que os deixe experimentar antes de comprar.
Sou eu que sou muito exigente ou o Acinetobacter baumanii chegou à cabeça do público em geral?

Uma achegazita: custava muito terem um exemplar de cada tamanho para as provas?
Olhem, perdeu ela e perdi eu.
NÃO GOSTO.

quarta-feira, 14 de março de 2012

O que seria de mim sem ti




... sem ti... música?


Espectáculo
Quando
tu me vires no futebol
estarei no campo
cabeça ao sol
a avançar pé ante pé
para uma bola que está
à espera dum pontapé
à espera dum penalty
que eu vou transformar para ti
eu vou
atirar para ganhar
vou rematar
e o golo que eu fizer
ficará sempre na rede
a libertar-nos da sede
não me olhes só da bancada lateral
desce-me essa escada e vem deitar-te na grama
vem falar comigo como gente que se ama
e até não se poder mais
vamos jogar
Quando
tu me vires no music-hall
estarei no palco
cabaça ao sol
ao sol da noite das luzes
à espera dum outro sol
e que os teus olhos os uses
como quem usa um farol
não me olhes só dessa frisa lateral
desce peça cortina e acompanha-me em cena
vamos dar à perna como gente que se ama
e até não se poder mais
vamos bailar
Quando
tu me vires na televisão
estarei no écran
pés assentes no chão
a fazer publicidade
mas desta vez da verdade
mas desta vez da alegria
de duas mãos agarradas
mão a mão no dia a dia
não me olhes só desse maple estofado
desce pela antena e vem comigo ao programa
vem falar à gente como gente que se ama
e até não se poder mais
vamos cantar
E quando
à minha casa fores dar
vem devagar
e apaga-me a luz
que a luz destoutra ribalta
às vezes não me seduz
às vezes não me faz falta
às vezes não me seduz
às vezes não me faz falta

11 factos aleatórios sobre mim

(Na sequência do desafio que me foi lançado por este  jovem: http://umdiapararelembrar.blogspot.com/, que não gosta que eu o trate por "miúdo").

1- Queria ser bailarina, cantora lírica e actriz (as três coisas);
2- Tive a primeira (e única, até à Faculdade) negativa no 8º Ano, a Físico-Química, 49% (e chorei baba-e-ranho);
3- Apanhei 2 bebedeiras na vida;
4- Nunca experimentei qualquer tipo de droga (... e só lidei de perto com ela no 3º ano da Faculdade);
5- Gosto muito de comprar pijamas e roupa interior;
6- Sou uma pessoa sortuda;
7- Gosto muito do meu sorriso;
8- Visto o 38 de calças e calço o 38;
9- Adoro queijo, azeitonas, pimentos, pickles e cebola curtida;
10- Não saio de casa sem antes por creme hidratante;
11- Levo sempre na minha mala uma escova de dentes e pasta.

Acordar "SIM" (o que um número abaixo nas calças faz a uma rapariga)

E se ontem foi um dia "não", hoje, pelo menos na hora e meia que já tenho de dia, desde as 6h da matina, o prenúncio é de um dia "sim" - MUITO SIM!
Acordei com o puto, é verdade, mas com um Sol a iluminar-me e a aquecer o meu quarto e a abrilhantar o ar. Muito bom e gostozinho (é com "s"?).
O outro aspecto matinal a contribuir para o dia positivo foi que as minhas queridas calças da época pré-estado-de-graça voltaram a caber-me no cu (pareço estar enfiada num espartilho, mas já entro lá... é questão de mais uns dias - digo eu - para ficar no "ponto"), logo, ganhei, de um dia para o outro, 5 pares de calças como novos. Há coisa melhor?

E, como diz a minha mana: "If you want to be happy, be".

terça-feira, 13 de março de 2012

Responder (corresponder?) a um desafio

Foi-me lançado por este miúdo. Como achei-lhe graça e não me apetece fazer coisas sérias, hoje respondo às suas perguntas e amanhã venho cá desembuchar 11 factos aleatórios sobre  mim, boa?

1. Uma música?
 - Hoje selecciono a "É isso aí" de Ana Carolina & Seu Jorge
2. Maior vício?
- (Se disser que não tenho vão dizer que estou a mentir?)
3. Como caracterizas a tua terça-feira?
- Uma surpresa, como todos os dias. Antigamente, num passado não muito distante, era dia de 12H de trabalho num serviço um pouco stressante...
4. Preferias cair das escadas ou deixar o pc cair?
- Se o PC caísse e se estragasse, preferia eu cair. (Será que os meus amigos me iriam visitar à Ortopedia?)
5. Quantas fotografias tens na tua rede social?
 - Ui... 200 e tal...
6. Usas regularmente a webcam?
- Já usei. Depois dos 30 há hábitos que se perdem...
7. Em que volume ouves música? Baixo, médio ou alto?
- Depende da ocasião.
8. Vivias sem telemovél?
- Vivia (mas não era a mesma coisa).
9. Num dia de escola, cais dentro de um lago, ficas molhado/a e a cheiras, mas tens 2 testes na hora seguinte muito importantes, faltas ou vais ao teste?
 - Já não estou na escola. Se tal me acontecesse iria para o trabalho - tenho lá espaço para tomar duche e mudar de roupa, vestindo uma espécie de pijama azul... melhor que nada.
10. Gostas de fazer e.física?
 - Não. Sempre fui uma naba. Tinha boas notas a tudo e o professor de educação física (que ninguém me ouça) era coagido a dar-me boa nota... Não é que não me esforçasse, mas o jeitinho era pouco, admito.
11. Para ti qual é o melhor e pior cheiro
 - Melhor: AXE (há outros); pior: cocó de gato fora da areia. Biiiieeerrrcccc!

Dia "Não"

O bom de um dia "não" é que se o dia a seguir for um dia "sim" é mais apreciado.

- Hoje foi um dia não: acordei com sono, bad hair, a torrada saiu queimada, apitei para um gajo que entrou mal na rotunda, tropecei à frente de uma gaja boa (consegui disfarçar), não estudei um chavo (apesar de ter estado sentada à secretária), almocei como uma lontra(zinha), esqueci-me da carteira (fiquei a dever dinheiro), pequei em pensamento, fiquei sem saldo no TM (já tinha dito que me esqueci da carteira?), fui antipática para o mariconço da B. (não que ele não mereça, mas eu sou superior, não sou?!), e comi 23 azeitonas gigantes. É preciso continuar?

"I can't take my eyes..."



And so it is
Just like you said it would be
Life goes easy on me
Most of the time
And so it is
The shorter story
No love, no glory
No hero in her skies

I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes...

And so it is
Just like you said it should be
We'll both forget the breeze
Most of the time
And so it is
The colder water
The blower's daughter
The pupil in denial

I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes off you
I can't take my eyes...

Did I say that I loathe you?
Did I say that I want to
Leave it all behind?

I can't take my mind off you
I can't take my mind off you...
I can't take my mind off you
I can't take my mind off you
I can't take my mind off you
I can't take my mind...
My mind...my mind...
'Til I find somebody new

domingo, 11 de março de 2012

Em linha

Ontem foi dia de matar saudades: tirei-os da arrecadação, tirei-lhes o pó de 10 anos acumulado e voltei a calçá-los. Os meus pés não cresceram desde então - menos mau - mas a arte de dar balanço e de me aguentar em linha, mirrou... muito. Para a semana há mais... Pode ser que, com treino (muuuuuito treino), aos 40 volte a equilibrar-me.

I hate you then I love you



Desejos 2


(São menos 3 Kg até ao Verão, pode ser?)

Huuum que comia agora umas lapas, um camarão frito e um pão-de-alho do Cais 20 (tudo light).

Desejos


- Oh, faxifavori, é uma tonelada destas na morada do costume.

SOL - MAR (= Pingo Doce de S. Miguel)

O Sol-Mar também não tem o novo AXE Anarchy for women. E lá vai mais uma reclamação no Livrinho Amarelo.

sábado, 10 de março de 2012

On time


 


Tinha muito para ser bom: aluguer em casa (MEO), baby a dormir, sinopse cativante, a menina querida-loirinha-de-olhos azuis do Mamma Mia, gente jovem... mas não... Apenas um 3.

quinta-feira, 8 de março de 2012

I do, I do, I do


O AXE ANARCHY continua no TOP da minha lista de desejos - há quem queira um ramo de 100 rosas vermelhas, uma caixa gigante de chocolate Belga, um anel de diamantes, uma viagem à Austrália... Eu quero um desodorizante: Este.
Ainda não chegou ao Continente. Vou fazer uma reclamação por escrito.

Calçada de Carriche - António Gedeão (A propósito do Dia da Mulher)




Calçada de Carriche

Luísa sobe,
sobe a calçada,
sobe e não pode
que vai cansada.
Sobe, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe
sobe a calçada.
Saiu de casa
de madrugada;
regressa a casa
é já noite fechada.
Na mão grosseira,
de pele queimada,
leva a lancheira
desengonçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Luísa é nova,
desenxovalhada,
tem perna gorda,
bem torneada.
Ferve-lhe o sangue
de afogueada;
saltam-lhe os peitos
na caminhada.
Anda, Luísa.
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Passam magalas,
rapaziada,
palpam-lhe as coxas,
não dá por nada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Chegou a casa
não disse nada.
Pegou na filha,
deu-lhe a mamada;
bebeu da sopa
numa golada;
lavou a loiça,
varreu a escada;
deu jeito à casa
desarranjada;
coseu a roupa
já remendada;
despiu-se à pressa
desinteressada;
caiu na cama
de uma assentada;
chegou o homem,
viu-a deitada;
serviu-se dela,
não deu por nada.
Anda, Luísa.
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Na manhã débil,
sem alvorada,
salta da cama,
desembestada;
puxa da filha,
dá-lhe a mamada;
veste-se à pressa,
desengonçada;
anda, ciranda,
desaustinada;
range o soalho
a cada passada;
salta para a rua,
corre açodada,
galga o passeio,
desce a calçada,
desce a calçada,
chega à oficina
à hora marcada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga;
toca a sineta
na hora aprazada,
corre à cantina,
volta à toada,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga,
puxa que puxa,
larga que larga.
Regressa a casa
é já noite fechada.
Luísa arqueja
pela calçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada,
sobe que sobe,
sobe a calçada.
Anda, Luísa,
Luísa, sobe,
sobe que sobe...

terça-feira, 6 de março de 2012

Descalça

E de repente atirei para longe os sapatos confortáveis e percorri a Vida, sorrindo, descalça.



Não falei contigo
Com medo que os montes e vales que me achas
Caíssem a teus pés...
Acredito e entendo
Que a estabilidade lógica
De quem não quer explodir
Faça bem ao escudo que és...


Saudade é o ar
Que vou sugando e aceitando
Como fruto de Verão
Nos jardins do teu beijo...
Mas sinto que sabes que sentes também
Que num dia maior serás trapézio sem rede
A pairar sobre o mundo
Em tudo o que vejo...


É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro
Que a minha bola de cristal é folha de papel
Nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.


Desconfio que ainda não reparaste
Que o teu destino foi inventado
Por gira-discos estragados
Aos quais te vais moldando...
E todo o teu planeamento estratégico
De sincronização do coração
São leis como paredes e tectos
Cujos vidros vais pisando...


Anseio o dia em que acordares
Por cima de todos os teus números
Raízes quadradas de somas subtraídas
Sempre com a mesma solução...
Podias deixar de fazer da vida
Um ciclo vicioso
Harmonioso ao teu gesto mimado
E à palma da tua mão...


É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro
Que a minha bola de cristal é folha de papel
Nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.
Numa chama minha e tua.


Desculpa se te fiz fogo e noite
Sem pedir autorização por escrito
Ao sindicato dos deuses...
Mas não fui eu que te escolhi.
Desculpa se te usei
Como refúgio dos meus sentidos
Pedaço de silêncios perdidos
Que voltei a encontrar em ti...


É que hoje acordei e lembrei-me
Que sou mago feiticeiro...


...nela te pinto nua, nua
Numa chama minha e tua.
Numa chama minha e tua.


Ainda magoas alguém
O tiro passou-me ao lado
Ainda magoas alguém...
Se não te deste a ninguém
Magoaste alguém
A mim... passou-me ao lado.
A mim... passou-me ao lado.

domingo, 4 de março de 2012

End-point secundário

O filme pode (só) ter roçado o "suficiente", mas valeu a pena por outros motivos... Chama-se atingir o end-point secundário.







(Acho que me fiz entender, meninas?...)




Pipocas (e sacrifícios)

Os sacrifícios que se fazem por um balde de pipocas gigante...

Fica a questão

http://aeiou.visao.pt/menino-descobre-pelo-google-que-tem-doenca-incuravel=f650058

Como é que os Jornais sabem destas coisas?

HEIM?? Tss, tssss...

Férias

Na creche do meu Baby pedem o seu plano de férias - e se ele não quiser os dias que eu e o pai escolhermos para ele? E se ele não quiser ser do Benfica? E se ele não quiser ser Engenheiro?

Desejos

Pode ser um DESTES se faz favor. Na morada do costume.
Obrigadinha.

(Eu trato-lhe da hemorragia sub-conjuntival - com muito carinho).

Caixinha de música




E com esta me deito. Hoje.

sábado, 3 de março de 2012

Todo o tempo é breve

Hoje recebi um presente (um em dois).

Porque as coisas boas devem ser perpetuadas e divulgadas, ficam as 4 linhas que se destacaram logo no primeiro minuto:

"Como é breve a vida!"

A minha amada
Faz-me a vida mais curta.
Junto dela,
Todo o tempo é breve.

(Ahmed Ben Kassin, o mesmo que dizer tio Daniel de Sá, in As Rosas de Granada)