segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Fazes-me falta (Inês Pedrosa)

Lindo, lindo, lindo.
Acabei de o devorar. 3 dias.


"Prefiro esquecer, esquecer-te até se preciso for, para viver como tu vivias, apreciando cada momento - sobretudo os dolorosos, pela lucidez que trazem como bónus - desta tão precária maravilha a que chamamos existência. Tantas vezes te aconselhei as virtudes do silêncio. Queria calar-te para te proteger, sim. Há poucas pessoas apetrechadas para a verdade - mesmo nós, quantas vezes não fechámos à chave umas verdadezitas mais cortantes para não nos magoarmos? Creio que me fazes - schiuuu! - assim, com uma vagar de embalo, sempre que a voz da minha consciência ( seja lá isso o que for) sobe o tom para me acusar pelo que não te dei. Creio sem crer, como um condenado. Afinal de contas, não tenho nada a perder. Mesmo que os anjos não existam, as asas com que te vejo, sentada na beira da minha cama, do cume enlouquecendo da minha insónia, ficam-te melhor do que todas as toilettes. Esforço a imaginação, estendo-a até aos teus dedos, mas não consigo mais do que um ligeiro raçagar de asas. São lençóis que agito, bem sei - mas não me concederás a graça de transformar a fímbria do meu lençol na ponta dos teus dedos?"


Excerto do livro de Inês Pedrosa, Fazes-me Falta

2 comentários:

  1. É o único livro que eu já comecei 2x (ou mais?)e nunca consegui acabar. Pesa--me, incomoda-me. Todos os outros dela, gostei muito.

    ResponderEliminar
  2. Também o tenho. Comprei-o há anos. Li a primeira meia-dúzia de páginas, mas depois arrumei-o. Não o consigo acabar; não lhe consigo pegar. Leio sempre antes de dormir e se o início do livro me perturbou, nem quero imaginar como seriam as minhas noites se desse continuidade à leitura...

    ResponderEliminar

O que se diz por aí...