terça-feira, 26 de novembro de 2013

Fui desafiada outra vez!


Há segundos que mudam vidas.

O suor escorria-lhe em bica; Luísa tremia até ao seu mais pequeno átomo de carbono; nem a alma lhe era poupada. A midríase, a respiração entrecortada e a taquicardia eram pouco, quando comparadas à ebulição em que se encontravam os seus neurónios (razão) e músculo cardíaco (coração), ligados por uma rede de aço invisível. Aquela decisão exigia muito mais do que só coragem: Luísa estava prestes a quebrar princípios… Desapegada e destemida era ela, mas a questão que se punha, naquela altura, era a necessidade de uma mentira. Deliberadamente mentir, para não ser eliminada naquela que seria a última e derradeira etapa da selecção. Acrescia-se um factor, que a empurrava para a decisão: sabia que se o fizesse não seria apanhada. As repercussões daquele acto, porém, a acontecerem, poriam em causa uma missão de escala mundial, de biliões de dólares e a esperança de toda uma humanidade na conquista de outros mundos, na expansão do Mundo-Terra ao Mundo-Universo.

Luísa, 35 anos, cientista portuguesa formada na NASA, encontrava-se a um click de enviar o formulário que, na semana seguinte, a iria por (ou não) no planeta Júpiter. Quase uma dezena de anos de preparação, de exigentes treinos físicos, de simulações, de antigravidade, de castração química para evitar que menstruasse, estavam prestes a dar frutos: a viagem interplanetária! A velocidade da luz deixaria de ser só utopia. Desde há vários anos que a astronauta deitava-se e acordava a pensar naquele dia. Não tinha namorados; as hormonas que era obrigada a tomar, roubavam-lhe a libido e ela também nunca tinha bem definido a sua sexualidade. Nunca fora uma prioridade. Vivia no Laboratório; dormia em casa; ouvia jazz. Nas horas livres tinha construído um algoritmo que, no seu PC, mostrava a contagem decrescente, ao milésimo de segundo, e sinalizava todas as provas já superadas. Estava no TOP 10 dos mais de cinco mil concorrentes de todos os cantos do mundo que pretendiam destronar Armstrong na Lua.

Começava, como todos os questionários anteriores, por um “Juro por minha honra ser verdade que …”; a estas palavras, que vinham em maiúsculas e a negrito, seguiam-se uma série de itens para seleccionar “Sim” ou “Não” e que eram eliminatórios.

A última cruz tinha sido colocada. Os dedos trémulos pousados sobre o teclado, o cursor a viajar sobre o botão ENVIAR...

Há segundos que mudam vidas. Mas tudo perece.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

O que se diz por aí...