quarta-feira, 22 de maio de 2013

Facebook

Já aqui afirmei ser uma utilizadora frequente (muuuuuito frequente, nos últimos tempos e, em princípio, ainda nos próximos 2 meses).
Não sou do tipo só "mirone", como muitos andam por aí, não sou do tipo de "gostar" de tudo (aliás, até lamento não existir o "não gosto", porque às vezes apetece-me mesmo "não gostar") e publico muito (gosto de exibir o que de melhor tenho!) - claro - publico só coisas de que gosto, pelo que também não "gosto" do que publico.
Não aceito convites para jogos. Não vou por "likes" em fotografias só porque me pedem - ponho "like" se a pessoa é minha amiga e se eu realmente gosto (feitiozinho difícil?!). Também não vou visitar blogues que me deixam mensagens do género: "olá, gosto muito do teu blogue, vem visitar o meu" - não, não vou: não preciso de angariar leitores, bastam-me os que tenho. Não aceito todos os convites de amizade - já lá vai o tempo - há mais de 20 anos - em que as amizades começavam com um inocente "queres ser minha amiga?": aceito como amigos as pessoas com quem realmente falo no dia-a-dia ou aquelas que tenho curiosidade de conhecer. Separo "os amigos" do facebook por "conhecidos" e "amigos" e faço publicações públicas para os subscritores que o desejam ser. As amizades que peço também seguem estes critérios. Se ganhasse uns trocos por cada amigo que adiciono, aí talvez o discurso fosse outro; como só ganho de acordo com o meu trabalho, estes são os meus critérios. Só publico o que quero, para quem quero.
Às vezes - porque me dá na tola - faço revisão e apago "amigos": e dá-me na tola quando percebo que se passaram meses sem nos termos falado, sem haver um comentário ou um "like" porque sem a interacção as "amizades" vão-se; quando isso acontece, muitas vezes, pouco tempo depois, tenho novamente o pedido de amizade dessa pessoa - fico feliz - dou-lhe uma segunda oportunidade; noutros casos, ficamos por ali (ok, então não era mesmo uma "amizade" - fiz bem em rastrear!). Àqueles a quem "recuso" o pedido - não se sintam preteridos: se pensarem bem, nós não somos "amigos", o vosso critério é que é diferente do meu (e, nesse caso, não precisam de estar a par da minha vida, da vida que eu quero mostrar). Se acharem que sou eu que estou "esquecida", há sempre a via da mensagem, a qual, certamente, lerei com atenção e responderei (reconsiderarei, em caso disso) com muito gosto.

Hoje deu-me para isto... Já chegaram ao fim e não têm conclusão nenhuma. Pois... eu acho que comecei a escrever mesmo para adiar o ir preparar o almoço (entretanto podia acontecer algum milagre e ele aparecer feito em cima da mesa, mas não, daí agora ter mesmo que dar por encerrado este assunto).

1 comentário:

  1. Palminhas para ti! Não tenho jantar para adiar, mas subscrevo as tuas palavras.
    De vez em quando também faço uma "limpeza geral". E sim, admito que passo muuuuito tempo no Facebook. Até trabalho ao mesmo tempo que interajo com o raio da coisa e não me atrapalha nada, vejam só! Acho é imensa piada àquelas pessoas que estão sempre online, mas que dizem "Eu nunca lá vou; aquilo é que fica para ali ligado"...

    ResponderEliminar

O que se diz por aí...